17 de julho de 2007

Foi um momento

Acabei de ler este poema de Fernando Pessoa que não conhecia e achei-o lindo. Aqui fica:
"Foi um momento
O em que pousaste
Sobre o meu braço,
Num movimento
Mais de cansaço
Que pensamento,
A tua mão
E a retiraste.
Senti ou não ?

Não sei. Mas lembro
E sinto ainda
Qualquer memória
Fixa e corpórea
Onde pousaste
A mão que teve
Qualquer sentido
Incompreendido.
Mas tão de leve !...

Tudo isto é nada,
Mas numa estrada
Como é a vida
Há muita coisa
Incompreendida...

Sei eu se quando
A tua mão
Senti pousando
'Sobre o meu braço,
E um pouco, um pouco,
No coração,
Não houve um ritmo
Novo no espaço ?
Como se tu,
Sem o querer,
Em mim tocasses
Para dizer
Qualquer mistério,
Súbito e etéreo,
Que nem soubesses
Que tinha ser.

Assim a brisa
Nos ramos diz
Sem o saber
Uma imprecisa
Coisa feliz."
Já não lia Fernando Pessoa, desde o secundário, claro que não é algo para se ler todos os dias, mas um poeminha de vez enquando, não faz mal a ninguém e até nos faz bem para ficarmos a conhecer a obra deste grande poeta! ;)

1 comentário:

MCA disse...

Já há algum tempo que não visitava o teu blogue...
Estive a ler o passeio a Sintra, aida à Biblioteca Nacional..., mas não podia deixar de reagir ao poema de Pessoa. Também verifiquei que não tem comentários!!
Continua, Maria, a ler e a sentir a poesia. A poesia é a vida, é toda a sabedoria e todos os sentimentos em apenas alguns versos. Temos poetas magníficos e o século XX foi um expoente máximo na poesia portuguesa.
Continua.
Beijinho