9 de novembro de 2010

Acabei de ler um artigo que demonstra bem qual é o meu maior receio nesta fase que está a decorrer e que se avizinha..

Avós intrometidas
Muitas vezes os novos métodos de cuidar de um bebé entram em contradição com o modo como as avós cuidaram dos seus filhos e, não são raras as divergências entre mães e avós por causa de pequeníssimos pormenores.
Habitualmente as avós - mãe e sogra - iniciam os seus conselhos na hora em que sabem que vem um bebé a caminho. “Vê bem como te alimentas. Com essa alimentação que habitualmente levas, o bebé vai nascer pequeníssimo”, “Se for uma menina, não te esqueças que deverá ter o nome das avós”, “Porque não começas já a preparar o enxoval?”, “Fala já com o pediatra da tua cunhada”, etc, etc, etc,…
Quando visitam o bebé na maternidade, iniciam outro estilo de intromissão - o acompanhamento do bebé.
“Quando chegares a casa…. este bebé …”, “Vê como o deitas, as crianças não gostam de estar assim”, “ Não é assim que lhe deves pegar para mamar…” e , etc, etc, etc…
E, como “lobas” ciosas das suas crias, se você não disser nada, iniciarão uma vivência atormentada para si, para o bebé e até para elas.
Amores em conflito
As avós querem, tal como os pais, o melhor para o bebé. Todavia, a verdade é que a sua intromissão pode gerar alguns conflitos. Serão você e o pai que terão de decidir como criar e educar o seu bebé e, desde a primeira hora, que elas terão de o entender.
Diga-lhes o que quer para o seu filho e pergunte-lhes se elas não trataram os seus filhos - você ou o seu marido - como pensaram ser melhor para eles?
Fale com as avós e explique-lhes que os tempos mudaram e que hoje os pediatras têm outros conceitos. As tensões familiares provocadas pelos mal-entendidos devem de ser imediatamente esclarecidas. Sem ofensas e para não piorar as coisas tente manter a sua independência desde o início da gravidez.
in familia.sapo.pt

2 comentários:

mpv disse...

I like it.

Niki disse...

Pois é, sobretudo com a sogras, com quem fazemos mais cerimónia no trato, às vezes torna-se complicado de dar um "chega para lá". A minha não é assim 'muito'chata, mas eu optei por ignorar e fazer de conta que não oiço. Ouvir sugestões tudo bem, mas elas têm que saber ficar no seu lugar quando não as seguimos.
Boa sorte!